Pianista e compositor, Daniel Bernardes tem construindo a sua carreira no cruzamento das linguagens do Jazz e da música erudita. Trabalha também para Teatro assumindo a Direcção Musical de Produções do Teatro Nacional D. Maria II e Teatro do Bairro e em Cinema onde se estreou pela mão de João Botelho no filme “Peregrinação”.


Daniel Bernardes nasce em Alcobaça a 26 de Junho de 1986. Começou a estudar piano aos 5 anos de idade e aos 18 muda-se para Paris, admitido na prestigiada École Normale de Musique de Paris. Regressa a Portugal para se dedicar ao Jazz, estudando com Filipe Melo na Escola de Jazz Luíz Villas-Boas, ingressando depois na Escola Superior de Música de Lisboa onde, pela mão de João Paulo Esteves da Silva, se torna no primeiro Licenciado em Piano Jazz desta instituição. Frequenta actualmente o Doutoramento em Artes Musicais da Universidade Nova de Lisboa.

IMG_3118.jpg

É-lhe atribuído o Prémio de Melhor Instrumentista, nível Superior, na Festa do Jazz no S. Luiz. Em 2010 apresenta o seu trio na Casa da Música com o qual lança, em 2013, o seu disco de estreia "Nascem da Terra". Desenvolve também uma actividade intensa enquanto compositor na procura de mesclar os universos do jazz e da música erudita sendo galardoado com a Bolsa Jovens Criadores do Centro Nacional de Cultura pelo projecto "Daniel Bernardes' Crossfade Ensemble", e, em colaboração com os Drumming Grupo de Percussão, cria "A Liturgia dos Pássaros" um projecto em homenagem a Olivier Messiaen, premiado pela Fundação GDA. A partir das recolhas de Michel Giacometti cria "O Rondó da Carpideira" um espectáculo multi-disciplinar em parceria com o saxofonista Mário Marques e o artista multimédia Gonçalo Tarquínio. Trabalha igualmente para Teatro assumindo a direcção musical de "Cimbelino" de W. Shakespeare com encenação de António Pires para o Teatro do Bairro assim como de "Sweet Home Europa" de D. Carnevali com encenação de João Pedro Mamede, numa produção do Teatro Nacional D. Maria II. Estreia-se em cinema com a Banda Sonora de "Peregrinação" de João Botelho.